Duas vezes Aço

Duas vezes Aço

Pilares e treliças em aço e fechamentos em light steel framing asseguram flexibilidade ao layout do IBC. Com o final dos Jogos Rio 2016, o edifício poderá se transformar em um espaço comercial

33 mil m² de paredes em LSF fazem o fechamento e as divisões internas do Centro de Transmissão

Considerada uma das estruturas mais complexas do Parque Olímpico da Barra, no Rio de Janeiro, o Centro Internacional de Transmissão (em inglês International Broadcast Centre, IBC) ocupa uma área equivalente a 24 ampos de futebol e foi construído em aço para atender às emissoras de rádio e televisão durante os Jogos deste ano. Foi do local, de aparência austera e modulação interior flexível, que saíram as imagens assistidas por cinco bilhões de telespectadores durante os Jogos Rio 2016.

O edifício, com capacidade para até dez mil pessoas, foi projetado com dois pavimentos: o primeiro, com 12 m de altura e o outro com 8 m. Juntos, eles abrigam 12 estúdios de aproximadamente 5 mil m² de área ada, além de uma completa infraestrutura de apoio, com salas de edição, áreas de trabalho e banheiros.

Para a construção do Centro Internacional de Transmissão, uma reforçada estrutura em aço foi necessária para suportar os equipamentos das emissoras de TV, rádio e Internet. Também foram exigidas soluções de engenharia para atender aos requisitos de proteção contra altas temperaturas e um isolamento acústico especial previamente definido pelos detentores dos direitos de transmissão dos Jogos. “A ideia era assegurar que as transmissões pudessem ser feitas sem interrupções. O som de um helicóptero sobrevoando o IBC não deveria ser notado no interior do edifício”, esclarece o engenheiro Graciano Amorim, gerente de projeto da Promon Engenharia.

As paredes em light steel framing, com até 17 m de altura, receberam fechamento com placas de OSB, lã de rocha e chapas cimentícias para atender aos rigorosos requisitos de isolamento acústico

A obra teve início com a execução de fundações indiretas com 1.215 estacas metálicas fincadas a 40 m abaixo do solo. Alinhadas em sequência, as estacas totalizaram 54 km de extensão. As estruturas presentes nos fechamentos internos e externos da construção, por sua vez, foram executadas em light steel framing para atender ao exíguo cronograma da obra – de apenas sete meses – e, também, assegurar a flexibilidade da instalação, que deveria oferecer a possibilidade de ser transformada, no futuro, em um estabelecimento comercial. A mesma exigência de reaproveitamento estrutural guiou, ainda, o uso de pilares e conjuntos de vigas treliçadas em aço no projeto.

Por dentro das estruturas

As estruturas compostas por perfis light steel frame formam 33 mil m² de paredes que cumprem a função de fazer o fechamento externo e delimitar os estúdios internamente. As paredes externas têm 17 m de altura e as internas, 15 m. Para atender aos rigorosos requisitos de isolamento acústico, os fechamentos receberam placas de OSB, lã de rocha e chapas cimentícias.

Uma particularidade interessante do projeto se deu com as paredes que não poderiam encostar no teto – a área técnica deveria ficar livre para a passagem dos dutos de ar-condicionado. Na impossibilidade de ter esse apoio, a saída foi utilizar vigas-caixa montadas com quatro treliças de 8 m de comprimento engastadas nos pilares de aço. “As estruturas ajudaram no suporte da parte superior das instalações e, ainda, estabilizaram a parede”, explica a arquiteta Helena Rodrigues, gerente de projetos do Núcleo de Steel Frame do Gyp Group.

A cobertura, com 32 mil m² de extensão, foi feita com telhas de aço do tipo “sanduíche” com recheio de lã de rocha, mais uma vez para melhorar o desempenho termoacústico local, cuja construção foi realizada pela 
Concessionária Rio Mais sob a supervisão da RioUrbe e da Empresa Olímpica Municipal (EOM). (J.N.)

Ficha Técnica

Projeto arquitetônico: Aecom, Daniel Gusmão e Promon Engenharia
Área construída: 30 mil m²
Aço empregado: ZAR 345 (LSF), aço estrutural com LE=350 MPa, ASTM A572 GR50, ASTM A36, aço estrutural com LE=300 MPa e ASTM A500 GRC (tubos)
Volume de aço: 280 t (LSF) e 3.400 t (estrutura metálica)
Projeto estrutural: engenheiro Eduardo de Assis Fonseca/ Codeme
Fornecimento da estrutura de aço: Codeme (estrutura metálica) e Gypsteel (LSF)
Execução da obra: Consórcio Rio Mais S/A (Construtoras Norberto Odebrecht, Andrade Gutierrez e Carvalho Hosken)
Local: Rio de Janeiro, RJ
Data do projeto: 2013
Conclusão da obra: 2015

Fonte: http://www.cbca-acobrasil.org.br/site/noticias-detalhes.php?cod=7304&bsc=&orig=noticias&q=Duas+vezes+a%E7o